Perturbações Comportamento

Problemas de Comportamento na Adolescência

Se bem que a maior parte dos comportamentos problemáticos na adolescência não são patológicos (ou doenças/ perturbações psiquiátricas) existem duas categorias que pela sua intensidade e persistência configuram um diagnóstico: a Perturbação da Conduta e a Perturbação de Oposição-Desafio.

Perturbação da Conduta

A Perturbação de Conduta (PC) é diagnosticada quando um adolescente tem comportamentos graves contra pessoas, animais ou propriedades. Este tipo de comportamento é caracterizado por ser violento, destrutivo, cruel, enganador, desonesto ou desobediente. Pode incluir roubar, magoar outros intencionalmente ou abusar sexualmente de outra pessoa.

De notar que este tipo de comportamento é um padrão severo e repetitivo de passagem ao acto e não incidentes isolados ocasionais.

A PC é em resumo um padrão de comportamento persistente em que o adolescente não respeita os direitos básicos dos outros ou em que as regras e valores principais da sociedade são violados.

Para o diagnóstico desta perturbação é necessário observar a presença de 3 (ou mais) dos seguintes, nos últimos 12 meses:

Agressão a pessoas ou animais:

  • Frequentemente ameaça ou intimida outras pessoas. Pratica bullying .
  • Inicia com frequência lutas físicas.
  • Usou uma arma que pode causar ferimentos sérios a outros (ex: faca, garrafa partida, etc.).
  • Foi fisicamente cruel para alguém.
  • Foi fisicamente cruel para animais.
  • Fez um assalto em confronto com a vitima (ex: extorsão, roubo à mão armada, etc).
  • Forçou alguém a ter actividade sexual.

 Destruição de propriedade:

  • Iniciou deliberadamente um fogo com a intenção de causar danos.
  • Destruiu deliberadamente propriedade de outros (para além de fogo posto).

Roubo ou engano:

  • Arrombou uma casa, um edifício ou um carro de outra pessoa.
  • Com frequência mente para obter coisas ou favores, ou para evitar obrigações.
  • Roubou objectos de valor, mas sem confrontar a vitima (ex: roubos em lojas, etc.).

Violação grave das regras:

  • Frequentemente fica fora de casa durante a noite, apesar da proibição dos pais e com início antes dos 13 anos.
  • Fugiu de casa, pelo menos por duas vezes e no mínimo de uma noite, enquanto vivia com os pais ou numa instituição (ou pela menos uma vez por um período prolongado).
  • Frequentemente opta por faltar às aulas para “vadiar”, com início antes dos 13 anos.

Para o diagnóstico de PC é necessário que este tipo de padrão leve a problemas graves, incluindo problemas escolares, com amigos, com família ou mesmo problemas com a lei. Por outras palavras, se um adolescente se envolver num problema grave deste género uma vez, mas aprender com a experiência e não o voltar a repetir, é pouco provável que se faça este diagnóstico que se define como um padrão persistente e repetitivo.

Habitualmente surge na infância tardia ou inicio da adolescência, é mais comum em rapazes do que em raparigas. Adolescentes com PC parecem ter dificuldade em compreender os outros, especialmente no que toca a emoções (ver este post), muitas vezes tendo a sensação que os outros os estão a ameaçar ou a rebaixar quando isso não é verdade. Tendem a reagir imediatamente a estas “supostas ameaças” de forma agressiva, mostrando poucos remorsos pelo que fazem. Também não toleram com facilidade as frustrações.

Geralmente envolvem-se em situações de muito risco, agindo de forma impulsiva e sem preocupação com a sua própria segurança.

Apresentam com frequência abuso e/ou dependência de drogas ou álcool.

Se este padrão continua na vida adulta o quadro geralmente converte-se numa perturbação de personalidade anti-social.

Perturbação de Oposição-Desafio

Na Perturbação de Oposição-Desafio (POD) observa-se um padrão de comportamento caracterizado por desafio à autoridade dos outros, raiva, hostilidade, irritabilidade, antagonismo ou necessidade de vingança. O diagnóstico de Perturbação de Conduta sobrepõem-se, logo só é possível diagnosticar POD se este não for diagnosticado.

Habitualmente os adolescentes com este tipo de Perturbação tendem a culpar outros pelos seus problemas.

Para diagnosticar POD é necessário observar a presença de 4 (ou mais) dos seguintes, nos últimos 6 meses:

  • Habitualmente descontrola-se, perde a paciência ou explode.
  • Discute com adultos com frequência.
  • Com frequência desafia ou recusa-se a obedecer aos pedidos ou regras dos adultos.
  • Frequentemente chateia/ irrita deliberadamente outras pessoas.
  • Habitualmente culpa os outros pelos seus erros ou mau comportamento.
  • É facilmente irritado ou sensível pelos outros.
  • Frequentemente sente-se zangado ou ressentido.
  • Habitualmente rancoroso ou vingativo.

De referir que o técnico de saúde só irá considerar este diagnóstico se achar que este tipo de comportamentos ocorrem mais frequentemente, ou com maior severidade, do que o habitual para a faixa etária e grau de desenvolvimento do adolescente em causa.

Ou seja, problemas e conflitos entre adolescentes e pais (ou outros adultos) são muito frequentes e por vezes o conflito é inevitável e normal. No entanto quando se torna num padrão persistente e repetitivo, causando problemas a vários níveis da vida do adolescente, poderá ser considerado o diagnóstico de POD.

Apesar das semelhanças entre estas duas perturbações do comportamento é de sublinhar que na POD não se observa habitualmente o comportamento cruel ou violento que é comum na PC.

Como se tratam estas perturbações de comportamento?

Todos os tratamentos têm como objectivo melhorar a auto-estima e o auto-controlo.

Um primeiro passo é criar, em conjunto com a família e outros adultos que sejam parte do meio do adolescente, um ambiente estruturado, com regras claras e consequências imediatas para o quebrar de regras. Este tipo intervenção é chamada de “contracto de regras em casa” e deve ser claro para todos quais a regras e consequências, devendo todas as pessoas envolvidas actuar de forma uniforme.

Por vezes esta estratégia pode ser eficaz, no entanto se os problemas se mantiverem poderá ser preciso fazer uma intervenção mais extensa, removendo o adolescente do seu meio ambiente actual, que poderá ser considerado prejudicial e impor regras disciplinares externas para mudar o comportamento. Se a situação se mantiver de uma forma muito intensa poderá ser preciso um programa numa residência especializada, onde se fazem intervenções mais intensas no sentido de modificar os comportamentos do adolescente.

Os medicamentos nestes casos têm um papel muito limitado, estando indicados para reduzir a impulsividade ou a agressividade do adolescente. Estes tratamentos não resolvem o problema de base nestas perturbações.

Outras perturbações que se podem confundir

Muitas vezes adolescentes com Perturbação de Hiperactividade e Défice de Atenção são considerados “mal comportados” e indisciplinados. Trata-se de uma situação que é importante excluir, pois o tratamento envolvido é totalmente diferente.

Adolescentes com doença bipolar ou mesmo com depressão podem apresentar comportamentos menos apropriados, com elevada irritabilidade. É também fundamental diferenciar este tipo de situações!

Situações de abuso de drogas ou álcool podem só por si levar a comportamentos idênticos. Nesse caso os comportamentos param algum tempo após a interrupção dos consumos.

DG 2011

Anúncios

7 thoughts on “Perturbações Comportamento

  1. tenho um filho de 13 anos que e muito cruel com seu irmao e parentes gostaria de saber aonde eu posso levar ele para fazer tratamento

    • Cara Nivia,
      Os técnicos que habitualmente se dedicam ao tratamento destas perturbações são psiquiatras, pedopsiquiatras e psicólogos.

  2. Boa tarde. Eu tenho um filho que no ano passado teve perturbações de perseguição e toda a gente olhava para ele e paravam para o fotografar, entre outras. Consegui levá-lo a um Psiquiatra, sem que ele se apercebesse que era Psiquiatra. Disse-lhe que era só para falar. Tomou medicamento durante 15 dias e deixou. Agora, há 2 meses tem problemas um pouco diferentes, mas um pouco agressivo nas conversas. No emprego, já me alertaram para o problema. Tem dias que não faz a barba e não sai para almoçar. Anda sempre sósinho e não tem amigos. Várias vezes tentámos levá-lo ao médico, ou levá-lo a tomar os mesmos comprimidos do ano passado, que o mesmo médico me passou a receita, mas ele recusa tomá-los, pois diz que está bem e não toma nada. Só existe mal na minha cabeça. Gostaria que me ajudassem, pois ele tem 37 anos e eu estou desesperada e sem saber o que fazer. Choro todos os dias, pois o meu filho nunca foi como está a ser agora. Gostava que me ajudassem e me dissessem o que uma mãe pode fazer netes casos em que o doente não quer ajuda e muito menos acreditar que está doente psicologicamente. Obrigada a todos.

  3. Boa tarde. Gostaria de saber como se pode diferenciar uma perturbação de oposição de comportamentos de revolta e agressividade após a morte de um familiar próximo (pai), numa criança de 11 anos. como posso saber se esses comportamentos são devido ao luto ou se são parte de uma perturbação de oposição?

    • Não existe nenhuma formula para saber isso que substitua uma avaliação cuidadosa por um técnico de saúde. Existem sinais de alarme que deverão ser considerados: reacções exageradas (no tempo ou em quantidade); outros sintomas associados (dificuldades de sono, oscilações do humor, alterações do apetite).
      É uma situação muito difícil, na realidade a maioria dos familiares e amigos próximos consegue intuir se se trata de uma reacção de luto ou algo mais.
      Espero ter ajudado.
      DG

O que tens a dizer?

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s