Pais e adolescentes problemáticos

problematic adol/fatherUma grande maioria dos adolescentes que vemos nas consultas de Psiquiatria e Psicologia, sobretudo com problemas de comportamentos (faltas às aulas, agressividade, falta de respeito por regras, consumos de drogas e álcool, fugas de casa, comportamentos auto-lesivos, etc.), vêm acompanhados de pais desesperados, preocupados, “no limite”, que de forma quase constante nos dizem: “não sabemos mais o que fazer com ele/a!

Quando escutamos atentamente as famílias compreendemos que o problema vêm de há muito tempo, que se insinuou de forma quase invisível até à altura em que os filhos entram na fase da adolescência. Ausência de padrões consistentes de educação, de negociação de regrascomunicações altamente perturbadas,  dificuldades de adaptação dos pais ao crescimento do seu filho (que deixou de ser uma criança), etc.

Os pais procuram “soluções milagrosas“: “um medicamento para o controlar”; “uma terapia”.

Estes “milagres” não acontecem!

Dar a volta a estes problemas implica que toda a família se envolva, que mude os seus padrões de relacionamento e de comunicação. O adolescente, na maioria das vezes é isto que quer e o “comportamento perturbado” é a forma que arranjou para comunicar isto à família.

Quando o adolescente, a família e os terapeutas compreendem isto e quando se motivam para avançar no sentido da mudança necessária, aí sim o “milagre acontece”!

O Professor Daniel Sampaio escreveu um livro que recomendamos muito nestes casos: “Lavrar o Mar“. Esta obra pode ser um ponto de partida para os pais que se questionam sobre estes assuntos e a sua leitura é algo que recomendamos!!

DG 2013

Exercício Físico e o Cérebro

7801281-brain-inside-a-lightbulb-made-in-3d-over-a-black-background

Várias investigações sugerem que o exercício físico é uma peça fundamental para prevenir os efeitos do envelhecimento cerebral. Mais recentemente um grupo de investigadores dos EUA estudou quais os seus efeitos no cérebro adolescente.

Observaram que, apesar de o grau de capacidade de memória ser igual no adolescentes “em forma” (>10h de exercício aeróbico por semana) e nos adolescentes “não em forma” (<1h por semana), os cérebros funcionam de forma diferente.

Quando fazemos uma nova memória utilizamos o córtex pré-frontal e o hipocampo e, simultaneamente, desactivamos as outras áreas do cérebro que funcionam “de base”. Ora o que esta investigação observou é que nos adolescentes “em forma” é exactamente isto que acontece, enquanto que nos adolescentes que fazem menos exercício estas áreas de funcionamento “de base” cerebral não reduziram o esperado e que mais recursos do hipocampo eram utilizados para a mesma função.

Traduzindo: O cérebro dos adolescentes “não em forma” consegue adaptar-se de forma a ter o mesmo rendimento que o dos seus colegas “em forma” mas à custa de maior esforço neuronal e utilizando mais recursos. Os investigadores sugerem que o exercício físico na adolescência possa contribuir para que, no futuro, exista mais reserva cognitiva e cerebral à medida que o cérebro envelhece.

Não deixem o vosso cérebro enferrujar cedo demais… Mexam-se!

atividade-fisica

Abraços

DG

Fica a referência do artigo: Herting MM, Nagel BJ. Differences in brain activity during a verbal associative memory encoding task in high- and low-fit adolescents. J Cogn Neurosci. 2013 Apr;25(4):595-612

XX Encontro da Adolescência

Mais uma vez o NES (Núcleo de Estudos do Suicídio) organizou uma nova edição do Encontro da Adolescência.

XX ENCONTRO DA ADOLESCÊNCIA

15 e 16 Novembro 2012

Hotel SANA Metropolitan – Lisboa

Os temas são diversos e interessantes, sendo este encontro um lugar de discussão e formação cada vez mais relevante no panorama nacional da Saúde Mental do Adolescente.

Os temas:

Psicopatologia da personalidade – Conflitos entre pais e filhos – Novas drogas – Psicoterapias – Novos casais novos pais – Sexualidade – Comportamentos suicidários – Psicofarmacologia

O programa pode ser consultado neste link.

Até lá!

DG 2012

Club Drugs

O termo club drugs refere-se a uma variedade de substâncias de abuso que são cada vez mais frequentemente utilizadas por adolescentes e jovens adultos no contexto de saídas à noite em discotecas, raves e bares. Incluem as seguintes:

  • Metilenodioximetanfetamina (MDMA), também conhecida como Ecstasy, XTC, X, pílula do amor, Eva e Pastilhas.
  • Metanfetamina, também conhecida por Speed e Anfes.
  • Ácido lisérgico dietilamida (LSD), também conhecido como Ácido, Viagem, Flashback, Trips e Flash.
  • Quetamina, também conhecida como Special K, K e Vitamina K.
  • Gamma-hidroxibutirato (GHB), também conhecido como Ecstasy liquido e Liquido X.
  • Flunitrazepam, também conhecido como Roofies ou Rape Drug.

Na sua maioria são utilizadas com objectivo recreativo, estando ligadas a contextos de lazer. Podem levar a problemas graves a nível de saúde física e mental. Existe também a associação entre algumas destas drogas e risco de violação, gravidez indesejada e transmissão de doenças infecciosas como HIV/SIDA.

Deixo-vos o link para um artigo que foi recentemente publicado na Acta Médica Portuguesa, intitulado “CLUB DRUGS:Um Novo Perfil de Abuso de Substâncias em Adolescentes e Jovens Adultos“.

Estejam atentos e informados!

Abraço

DG 2012

PS: Para mais informações sobre estas e outras substâncias de abuso consultem a nossa página sobre Drogas.

A família e os adolescentes…

Chamou-me a atenção esta noticia do Público de 25.01.2012:Família tem mais poder que os amigos no bem-estar e auto-estima dos jovens“.

A sensação de bem-estar e auto-estima dos jovens depende mais das relações familiares do que das ligações entre colegas, que só ocupam o lugar da família quando esta se ausenta, segundo um estudo de investigadores portugueses.

Afinal qual é a importância da família e dos amigos na auto-estima dos adolescentes? Para conseguir responder a esta questão, a equipa do Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA) inquiriu 900 alunos do 7º, 9º e 11ª ano. No final, percebeu que a família tem mais impacto.

“Há uma convicção, mais ou menos generalizada, de que durante a adolescência o grupo de pares acaba por substituir um pouco a família. Mas o que estes dados acabam por mostrar é que isso não é exactamente assim. No que toca ao sentimento de bem-estar, a família continua a ter um papel mais importante do que o grupo”, contou à agência Lusa o coordenador do estudo, Francisco Peixoto.

O facto de sentirem que a “família os aceita tal como são, que os apoia quando precisam, nomeadamente em termos efetivos, e que simultaneamente lhes dá autonomia para poderem crescer e desenvolver-se, faz com que sintam que são pessoas que têm valor”, sublinhou o professor do ISPA.

Francisco Peixoto sublinha que o facto de a família dar “um contributo maior para a auto-estima que a relação com os colegas” não significa que o grupo de amigos não é importante.

Os amigos são importantes mas, em muitos casos, não conseguem substituir a família: “contrariamente aquilo que se faz passar, de que o grupo acaba por preencher o espaço da família, isso não é completamente verdade. Depende das circunstâncias”, disse o investigador.

“Os pares acabam por ocupar o espaço, quando a família deixa esse espaço vazio. Se a família cuidar dos filhos que tem continuará a ter esse papel importante, de o jovem se sentir bem com ele próprio”, alertou.

Sobre as características “ideais” da família, Francisco Peixoto sublinha que “não há um manual de boas práticas”, lembrando apenas que na base deve estar a “aceitação” dos filhos tal como eles são.

“A questão fundamental é a da aceitação. A ideia de que os pais forçam os filhos a ser aquilo que eles quereriam ter sido, isso não contribui obviamente para uma boa prática familiar, porque o que vai acontecer é que o adolescente é rejeitado pela família, porque a família quereria ter outro que não aquele que está ali à frente”, lembrou.

Um estudo sem dúvida importante, que sublinha muito do que se tem dito aqui no psiadolescentes… A família é fundamental para o desenvolvimento saudável dos adolescentes, nada a substitui. Os amigos, a escola, todos têm os seus papeis, mas é no seio da família que se desenvolvem as competências essenciais e se promove a autonomia.

Um parabéns aos autores do estudo.

Abraço
DG 2012

Resultado da sondagem psiadolescentes

Obrigado pelas 370 respostas! Estes resultados dão que pensar

Afinal será uma boa maneira de lidar com o stress isolarmo-nos ou estar com amigos? Parecem contraditórias as escolhas que colheram mais votos…

As menos escolhidas, são as mais preocupantes e as que pior podem fazer no desenvolvimento do adolescentes. Apesar disto 7% referiram que utilizam drogas ou álcool para controlar o stress e 5% que se magoavam como forma de lidar com este sentimento negativo.

E a família?… Ao que aparenta os jovens que responderam a esta sondagem não recorrem muito a esta quando estão em stress.

Dados a reflectir…

Abraço

DG 2011

XIX Encontro da Adolescência

Mais uma vez o NES (Núcleo de Estudos do Suicído) organizou um encontro para se discutirem temas relevantes à Saúde Mental dos Adolescentes.

Os temas são diversos, desde a bipolaridade na adolescência, passando pelas Escolas e Famílias, intervenções na Adolescência, etc.

Vai realizar-se em Lisboa, no Sana Metropolitan Hotel, nos dias 10 e 11 de Novembro.
Fica aqui o link para o programa e inscrições: folheto XIX Encontro da Adolescência

Até lá.

DG 2011